Elfos

Elfos no continente

Elfo

Acredito que devo começar minhas elucubrações pelos elfos, o povo original, aquele que primeiro tomou vida pelas mãos do Iluminado, a quem chamam, assim como alguns povos humanos, pelo nome de Leonar. Esta raça é formada por criaturas esguias, de belo porte e faces delicadas, além de orelhas pontudas bem formadas, diferentes daquelas encontradas em povos mais rústicos como orcs e goblins. Neles se percebe o esmero de Deus em sua “composição”.

Como criaturas longevas que são, muitos dos relatos sobre suas origens pude colher da boca deles próprios. Até mesmo Balder Darkfire, pouco afeito à ciência, concordou em esclarecer-me a respeito de muitos pontos da história de seu povo. Alguns poucos, como Solkash, líder da comunidade Selnae Larethiel, no coração da Floresta da Alvorada, ainda guardam lembranças dos tempos em que humanos sequer pisavam o solo de Morgdan.

Antigos registros rúnicos, encontrados por mim em ruínas por toda a região central de Morgdan, confirmam esta como sendo a raça mais antiga do mundo e pelo que se vê, os primeiros a adotar a escrita. Muito de sua gramática pode ser encontrado na escrita humana e até mesmo em algumas runas anãs. A estrutura fonética adotada pelos povos de quase todo o mundo é baseada no élfico arcaico. Tatsu é o único reino a manter uma estrutura lingüística diferente, baseada em ideogramas.

Apesar de terem sido o primeiro povo a habitar Morgdan, os elfos não se encontram tão dispersos quanto os humanos. Concluí que isto se deve à sua natureza reclusa e taciturna, bem diferente do ímpeto expansionista e adaptável dos humanos. As comunidades élficas se concentram na região central de Morgdan, a oeste do Rio das Almas. Loivty é o reino de maior incidência de elfos e meio-elfos em sua população. Algumas comunidades menores se estendem rumo ao Ocidente, pelo norte do reino de Stormgard, até os limites do Deserto Áureo. Em toda esta área pude identificar pelo menos duas etnias élficas diferentes: os elfos autodenominados “puros”, em sua maioria habitando a Floresta da Alvorada, e aqueles chamados pejorativamente de “mestiços”.

Floresta da alvorada

As maiores cidades élficas se encontram na Floresta da Alvorada, que, segundo antigas baladas de bardos elfos, é o berço deste povo. Nesta região formam, praticamente, uma nação independente dos reinos que a cercam – Loivty e Avalon – mantendo suas próprias leis e contando inclusive com uma capital, a quase lendária Korudrim. Posso afirmar que esta é uma das maiores cidades de Morgdan, que se mantém desconhecida e isolada apenas pela costumeira desconfiança e xenofobia dos elfos da Floresta da Alvorada.

Estes elfos de cabelos e olhos claros, que vão de um dourado ofuscante à cor-de-mel, não se misturaram aos outros povos de Morgdan, mantendo sua língua original e sua peculiar arquitetura que se integra de maneira harmônica à natureza – daí vem a sua denominação de “puros”. Até mesmo suas maiores cidades, como Korudrim, apresentam esta “arquitetura arborícola” em que casas e árvores se misturam, tornando-se difícil afirmar onde começa uma e termina outra.

Sua comunhão com a natureza não encontra precedentes em nenhum outro povo de Morgdan, nem mesmo em outras comunidades élficas, mais adaptadas ao estilo de vida urbano. Extraem tudo o que precisam da Floresta e retribuem restaurando-a e protegendo-a com sua mágica. Seu artesanato é ao mesmo tempo rústico em seu material – madeira, couro e fibras vegetais – e refinado em suas formas. Os arcos produzidos nestas comunidades são os mais belos e mais poderosos de Morgdan, e motivo de grande orgulho para qualquer “elfo puro”.

Antigos documentos e artefatos ancestrais encontrados em Loivty e no norte de Stormgard indicam que há séculos, durante a Grande Guerra, ocorreu uma enorme migração de elfos rumo ao Ocidente. Tudo leva a crer que este deslocamento se deu devido a um apelo das comunidades humanas locais, descendentes do povo de Tatsu, para que os elfos os ajudassem na luta contra o exército de ogros, orcs e gigantes que invadiu a região. Baladas do folclore de Stormgard revelam a formação de uma aliança entre estes três povos e falam da “salvação vinda do leste”. Ao que tudo indica, esta “salvação” era o exército élfico, cujo povo não é natural desta área.

Mestiços

A partir da análise do povo desta região pode-se afirmar que houve uma miscigenação entre elfos e descendentes de Tatsu que originou os chamados “mestiços”. Estes elfos apresentam cabelos e olhos escuros, estatura menor à dos elfos da Floresta da Alvorada e uma tolerância muito maior no que concerne ao nascimento de meio-elfos. Todas estas características físicas e psicológicas se devem ao sangue humano de seus ancestrais e à convivência com os povos humanos da região.

Este povo foi o grande responsável pela disseminação da linguagem escrita, da arte e da filosofia pelo resto do continente. São elfos muito mais afeitos ao contato com os humanos que os povos da Floresta da Alvorada. “Mestiços”, apesar de ainda manterem o apreço e respeito pela natureza de seus ancestrais, são elfos muito mais ligados à vida urbana. Constroem pequenos vilarejos e se misturam aos humanos em cidades maiores. Até mesmo comunidades silvícolas não apresentam a extraordinária “arquitetura arborícola” da Floresta da Alvorada.

Elfos negros

Podemos ainda encontrar uma terceira vertente do sangue élfico em Morgdan. Esta totalmente maléfica e deturpada. Durante uma de minhas passagens pela Floresta da Alvorada, nos templos de Korudrim pude ter em mãos algumas antigas escrituras sagradas. Elas indicam que há muito tempo, quando o próprio povo elfo ainda era jovem, uma grande cisma aconteceu e enorme quantidade de elfos partiu para a escuridão, rumo ao Oriente. Ao que tudo indica, esta comunidade de segregados rumou para a Floresta da Noite Eterna. Lá, corrompidos por forças malignas que atuam contra as criações do Iluminado, estes elfos se transformaram no que conhecemos hoje como elfos-negros.

Felizmente travei poucos contatos com estas criaturas malignas, quase sempre em combate. A cultura destes elfos é sombria e recheada de tabus que eles guardam apenas para si mesmo. A notória reserva e frieza dos elfos se encontra de uma forma extremamente acentuada nesta sub-raça. Possuem peles negras como ébano e cabelos de cor branca ou prateada. Seu domínio sobre a mágica é tão grande quanto o dos elfos da Floresta da Alvorada, o que os torna ainda mais perigosos.

Personagens Elfos

Veja também

  •  Os elfos azuis são uma subraça élfica nativa do plano de Melmahat. Hoje existem apenas cerca de 150 representantes vivos, o mais conhecido é Kahei Borar, Azul como aço.
Esta entrada foi publicada em e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Escreva um comentário