O Rei Caído

  • O Rei Caído – Capítulo I – Indignação: Hangsdon, Longness, 14º dia de Nosrredramy do ano de 635. Era inverno, período no qual os sóis, principal representação de Leonar em Morgdan, brilham em menor intensidade. Neve cobre todo o continente, lagos se congelam, pessoas se aquecem em suas casas e os corações se apertam. Galopando em um belo corcel negro pela praça central de Hangsdon, vazia e coberta de ... Continue lendo

  • O Rei Caído – Capítulo II – Convencimento: Greenreef, antiga capital de Loivty, 21º dia de Hellenahy do ano de 635. Éden, o rei de Longness, saiu visivelmente irritado da sala do trono real de Loivty. Vestia uma pesada capa de lã vermelha que escondia quase todo o corpo e o protegia do frio. Abaixo da capa, um camisão de seda branco e uma calça de veludo azul marinho. Não usava sua coroa real, mas ostent... Continue lendo

  • O Rei Caído – Capítulo III – Massacre: Baía dos Deuses, próximo à costa de Avalon, 5º dia de Jhannay do ano de 635. O mar estava revolto, como de costume, mas os mais de cem galeões, grandes navios à vela de quatro mastros, principal forma de transporte marítimo de Morgdan, navegavam com certa facilidade devido a seus cascos reforçados, à força de seus remos e à experiência de seus capitães. Ostentavam, n... Continue lendo

  • O Rei Caído – Capítulo IV – Herói: Heikville, norte de Trenet, costa do Rio das Almas, 10º dia de Queromedy do ano de 635. — Leon, volte aqui! — gritou a mãe, enquanto o menino pequeno corria com suas pernas curtas pela sala de sua casa, com seus fartos cabelos castanhos cacheados e seus ansiosos olhos cor de mel, movendo uma cadeira em direção à janela. Subiu na cadeira, tirou a tranca da janela, a abr... Continue lendo

  • O Rei Caído – Capítulo V – Reunião: Ponta Oeste das Montanhas de Aço, 25º dia de Morgdany do ano de 635. Depois de dias avistando a enorme cordilheira que chamam Montanhas de Aço, finalmente haviam chegado ao sopé. Neste ponto, um enorme paredão de rocha com cerca de trinta metros de altura se estendia na frente da comitiva. Acima do paredão, os enormes picos das montanhas alcançavam as nuvens, algumas atravessa... Continue lendo

  • O Rei Caído – Capítulo VI – Decisão: Coruscant, Loivty, 13º dia de Rarpisy do ano de 638. — Maldição! — berrou o Rei Éden dando um forte murro sobre a mesa que apoiava o mapa do continente, ricamente desenhado em couro de boi, derrubando algumas peças que indicavam exércitos aliados e inimigos. Uma peça de chumbo esculpida com o desenho de um martelo e uma bigorna, símbolo do reino anão de [[Stoneg... Continue lendo

  • O Rei Caído – Capítulo VII – Batalha: Coruscant, Loivty, 3º dia de Kolthary do ano de 642. O céu estava totalmente azul, sem nenhuma nuvem, mas o dia não estava quente. O clima era agradável devido à brisa que vinha do norte. Os sóis de Morgdan flutuavam acima de todos embelezando ainda mais a paisagem. Lorde Thierk observava da janela mais alta da maior torre do castelo de Cosrucant, que pertencia à uma i... Continue lendo

  • O Rei Caído – Capítulo VIII – Combate: Coruscant, Loivty, 3º dia de Kolthary do ano de 642. O calor da batalha refletia nos combatentes e acelerava seus corações. A rivalidade de eras resumida a um embate. Sobre um belo corcel de batalha branco, de armadura dourada, um Cavaleiro do Dragão Dourado, Sir Jonathan Marath, erguia sua espada dourada, preparava seu escudo com o símbolo da [[Ordem do Dragão Doura... Continue lendo

  • O Rei Caído – Capítulo IX – Queda: Hangsdon, Longness, 19º dia de Queromedy do ano de 648. — A cidade irá cair, cedo ou tarde! — um conselheiro gritou e chamou a atenção de todos os demais que gritavam e discutiam sem chegar a lugar nenhum. O Rei Éden estava sentado em seu trono na sala real. Usava sua bela coroa de ouro e brilhantes, com uma camisa de seda branca e calças de veludo azul marinho, uma cap... Continue lendo

  • O Rei Caído – Capítulo X – Fim: Nuvens escuras de chuva cobriam o céu. Relâmpagos serpenteavam por entre elas, como se iluminassem as rachaduras do reino dos céus. Numa praia de areia escura, as ondas batiam contra um corpo que jazia inerte afundando na areia. Seus longos cabelos negros e grisalhos estavam molhados e grudados em seu rosto, mal conseguindo esconder o profundo corte que atravessava verticalmente sua face, uma f... Continue lendo

Esta entrada foi publicada em e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Escreva um comentário