Dragão de Diamante

Dragão de Diamante
Dragão de Diamante
Situação:Vivo
Raça:Dragão
Classe/Ofício:Sumo-sacerdote de Kolthar
Aliados:Servos de Diamante
Inimigos:Grande Dragão Dourado
Tendência:Leal e Mau
Autor:Leo Jardim
Ilustração:Iara

Kolthar, o deus dragão da justiça, é justo a ponto de nomear dois sumo-sacerdotes, um para o lado do bem e outro para o lado do mal. Para o lado das trevas foi escolhida uma criatura fantástica, um dragão com escamas de diamante, como nunca visto em nenhum dos mundos conhecidos. Como nunca foi possível pronunciar ou escrever seu nome em nenhuma língua de Morgdan, ficou conhecido como o Dragão de Diamante.

Sua aparência é reptiliana como qualquer dragão, porém suas escamas são todas feitas de diamante, a pedra natural mais resistente do mundo. Seu tamanho varia o quanto ele desejar. Alguns bravos aventureiros as criaturas mais famosas e poderosas juram que viram o Dragão de Diamante assumindo o tamanho de uma cidade inteira. Outros já o viram assumindo o tamanho de uma pequena casa.

Seu poder é surpreendente. Dizem que é exatamente igual ao poder de seu maior rival, o Grande Dragão Dourado, sumo-sacerdote de Kolthar para o lado do bem. Mas ninguém conseguiu medir o tamanho exato desse poder. Uma amostra desse poder é sua baforada especial. Além das baforadas comuns, como fogo, ácido, gás, etc., o Dragão de Diamante é capaz de cuspir um jato mágico que pode transformar qualquer um que a toque em uma estátua de diamante. Dizem que quem é alvo desse terrível destino continua com todos os seus sentidos, porém incapaz de se mover. Diz a lenda que no interior de seu covil, o Dragão de Diamante guarda centenas de milhares de estátuas de criaturas por ele capturadas.

Se desejar, com o poder de seu olhar, o maligno dragão pode libertar uma estátua que criou, liberando seus movimentos. A criatura libertada continuará com a pele de diamante e sua força aumentará, porém ela se tornará maligna e sob total controle do dragão. A criatura de diamante poderá camuflar sua pele para a forma normal e esconder sua forma de diamante, mas apenas durante um período de tempo limitado por dia. O Dragão de Diamante não costuma utilizar esse poder com freqüência, portanto não existem muitas criaturas de diamante pelo mundo. Essas temíveis criaturas são conhecidas como Servos de Diamante.

Sabe-se que os outros dragões são imunes ao sopro especial do Dragão de Diamante, conseqüentemente não podem ser transformados em Servos de Diamante. Existe uma lenda que diz que existe uma outra criatura também é imune ao sopro do dragão, mas pouco se sabe sobre essa criatura.

A real localização de seu covil ainda não foi confirmada por nenhuma fonte confiável, mas alguns relatos levam a acreditar que uma imensa caverna de diamantes, que seria a morada do pavoroso dragão, fica localizado em algum ponto da Ilha de Diamante, uma grande ilha do Arquipélago de Donnwulf que recebeu esse nome justamente por causa dessa lenda.

“Quando se aproximaram da montanha, o dragão fez uma manobra brusca e entrou em uma enorme caverna, grande até mesmo para o gigantesco réptil. E foi aí que o coração de Éden disparou de uma emoção incontrolável e ele se pegou segurando a respiração. A caverna era simplesmente linda! Suas paredes eram quase todas tomadas por lindos cristais de diversos formatos e tamanhos. Uma tênue luz azul refletia em cada cristal da caverna iluminando todo o caminho e deixando a paisagem ainda mais bela. Alguns dos cristais eram tão grandes que o dragão negro precisava desviar deles em seu voo caverna adentro. (…)

(…) Voaram caverna adentro por cerca de uma hora, num labirinto interminável de túneis e cristais. Ele nunca saberia como sair dali. O dragão deu um mergulho no ar e entrou entre dois imensos cristais que se cruzavam fazendo uma espécie de portal. (…) A caverna se abriu em uma galeria absolutamente colossal. No centro da galeria, um grande lago azul era a fonte da luz que percorria por toda a caverna. O lago brilhava intensamente e o brilho refletia de cristal em cristal, numa imagem impressionante. A galeria era tão grande que caberiam confortavelmente milhares de dragões do tamanho daquele que carregava Éden. Era difícil para seus olhos conseguir visualizar o fim da galeria e o teto, ainda mais com a luz refletindo nos enormes cristais. (…)”

– Trecho do capítulo X do conto O Rei Caído.

O Dragão de Diamante é uma criatura cruel, mas honrada. Tem o poder necessário para destruir toda Morgdan, mas sabe que esse não é o desejo de seu deus. Sua maior diversão é brincar com a inteligência humana. Ele manipula mentalmente líderes de alguns reinos para gerar conflitos e guerras. Sua diversão é ver como os humanos fazem tudo pela vitória, inclusive aliar-se a inimigos. Ele também guia secretamente aventureiros iniciantes em suas aventuras, treinado-os até que fiquem fortes o suficiente para uma luta justa contra o dragão. Ele acha interessante como os humanos parecem acreditar que podem um dia vencê-lo. Até hoje, nunca recebeu um golpe que atravessasse suas escamas, mas as estátuas dos valorosos guerreiros que um dia chegaram a lutar contra ele estão em local de destaque em seu covil.

“(…) Ele olhou na direção e avistou uma criatura alada, que emergia do lago e voava em sua direção. Quando chegou um pouco mais perto, Éden percebeu que era um dragão, mas totalmente diferente daquele que o trouxera até ali. Suas escamas eram feitas do mesmo material que aqueles cristais que adornavam toda a caverna e brilhavam no mesmo tom azulado. Suas asas eram como de morcegos, mas translúcidas como gelo, e chifres de diamante nasciam de seu focinho comprido e se espalhavam harmoniosamente pela sua cabeça, pescoço e corpo até a calda. Seus olhos brilhavam numa forte luz azulada. Dava para ver, através das escamas de diamantes translúcidas, uma esfera de luz azul onde seria o seu coração. (…) A envergadura de suas asas era de cerca de dois quilômetros. A criatura inteira devia ser quase do tamanho da maioria dos vilarejos de Morgdan e era, com certeza, maior que Castelo Real de Hangsdon. O dragão se aproximou e pousou no imenso cristal em que Éden se encontrava, fazendo um ruído enorme quando aterrissou – BAM!. O cristal era gigantesco, mas o dragão ocupava quase a metade dele. Ele abaixou sua cabeça para ficar mais próximo do seu visitante. Enormes dentes brotavam de sua boca, maiores que portões de castelo, e também eram de diamante, assim como sua boca, língua e tudo mais. Éden teve que cerrar os olhos para conseguir olhar para o dragão, por conta da luz que saía dos seus olhos. Ele se sentia, perto daquele ser colossal, como uma formiga, pequena e indefesa.”

– Trecho do capítulo X do conto O Rei Caído.

Esta entrada foi publicada em e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Escreva um comentário